Mesa de reunião com mulher ao centro

Veja 4 obstáculos que mulheres têm de superar no mundo corporativo

De acordo com um estudo feito pelo Peterson Institute for International Economics,  empresas com pelo menos 30% de executivas têm 15% a mais de lucro. Mesmo assim, muitos obstáculos estão presentes no dia a dia das mulheres no ambiente de trabalho.

Confira 4 obstáculos comuns no cotidiano de mulheres no ambiente corporativo e dicas de como driblá-lo:

Remuneração inferior:

Mulheres ganham em média 25% menos que os colegas homens para desempenharem a mesma função. Nos cargos de gerência e direção, essa diferença chega a 32%. Isso acontece em todo o mundo, mas isso precisa ser modificado. Se este for o seu caso, procure ter uma conversa franca com a equipe de Relações Humanas ou com a Gestão. Mostre que seu trabalho para a empresa vale tanto quanto o dos colegas do sexo masculino.

Poucas mulheres em cargos de liderança:

Mulheres representam 43,8% de todos os trabalhadores brasileiros, mas a sua presença no ambiente corporativo vai diminuindo conforme aumenta o nível hierárquico.  Apenas 37% dos cargos de direção e gerência são ocupados por pessoas do gênero feminino. Se levarmos em conta apenas comitês executivos de grandes empresas, elas estão no comando de apenas 10% no Brasil.

Vale ressaltar que mulheres tendem a terem nível escolar superior ao dos homens. Levando em consideração pessoas de 25 a 44 anos, o percentual de homens que completaram a graduação foi de 15,6%, enquanto o de mulheres atingiu 21,5% — indicador 37,9% superior ao dos homens.

Discurso que não condiz com a prática:

Diversidade, direito das minorias e igualdade são tópicos de discussões que nunca estiveram tão em alta, mas será que na prática essas são preocupações reais das empresas? A dica é fazer uma boa pesquisa sobre as empresas nas quais você pretende se cadastrar, incluindo perguntar a opinião colaboradoras e ex-colaboradoras.

Cobrança exagerada:

Mulheres tendem a serem mais cobradas no ambiente de trabalho que os colegas do gênero masculino. A sensação é de sempre ter a necessidade de provar ser capaz de ocupar a cadeira que lhe foi destinada. “Mesmo que no trabalho não estejam necessariamente exigindo isso, é como se tivéssemos internalizado que, para crescermos, precisamos ser as melhores”, disse Telma Low, professora de Psicologia da Universidade Federal de Alagoas, em entrevista ao Gazeta de Alagoas.

Veja Também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.